Ser piloto de testes contribui para o crescimento de um piloto, mesmo numa Fórmula 1 praticamente sem testes

Por Américo Teixeira Junior – Fotos Rodrigo Berton/Grande Prêmio, de Interlagos

Depois de se recuperar do acidente que prejudicou sua carreira, Pietro Fittipaldi passa a integrar a rotina da Haas

Depois de Sérgio Sette Câmara na McLaren, nesta sexta foi a vez de Pietro Fittipaldi ser anunciado como piloto de testes e desenvolvimento da Haas. Esse anúncio ocorre com meses de atraso, pois já teria acontecido se ele não tivesse sofrido o acidente em Spa. De todo modo, também terá uma atuação limitada.

Nos tempos atuais, o grande benefício para Sérgio e Pietro será o de conhecer o funcionamento de uma equipe de Fórmula 1, conviver com as pessoas do meio, perceber as nuances políticas, entender que há também um lado perigoso na grande exposição que a categoria proporciona e, sobretudo, ganhar a confiança para que possa ser integrado mais e mais à equipe.

No fim das contas é uma anomalia ser piloto de testes sem testar, mas nos tempos atuais a Fórmula 1 é um funil tão assustadoramente estreito que chegar na categoria, mesmo dessa forma, já é um ganho notável. Esse é o preço a pagar para o Brasil voltar a ter pilotos na Fórmula 1.

Compartilhar

Muito obrigado por participar. Forte abraço, Americo Teixeira Jr.