Atualmente, o mineiro não tem pontos na tabela de graduação da FIA

Por Américo Teixeira Junior

Desde a lacuna de 2018, o Brasil voltará a ter um piloto na Fórmula 1 com Sergio Sette Câmara (Fotos Zak Mauger/FIAF2)

Sergio Sette Câmara terá dois desafios decisivos na próxima temporada. Anunciado hoje como novo piloto de testes e desenvolvimento da McLaren, o primeiro deles é aproveitar ao máximo a oportunidade, apesar de haver poucos testes na Fórmula 1 atual. Estará apto a participar de treinos de sextas-feiras e de testes coletivos agendados pela FIA. Não poderá, entretanto, substituir os tilulares Carlos Sainz e Lando Norris em caso de impedimento destes em algum Grande Prêmio do ano que vem. A “pedra no caminho” é a ausência da superlicença, sendo esse o outro desafio fundamental de sua carreira.

Nas normas da entidade, um piloto só pode solicitar autorização para correr na Fórmula 1 se tiver somado, no conjunto de três temporadas consecutivas, pelo menos 40 pontos. Atual 6º colocado na Fórmula 2, Sette Câmara levará 10 pontos se mantiver essa classificação até o final. Luta, porém, para ser 5º, cuja pontuação na FIA seria de 20 pontos.

Diante disso, seu foco para 2019, em mais uma temporada na Fórmula 2, passa a ser completar a pontuação, além de crescer muito na McLaren. Afinal, 2020 está logo aí e Sergio Sette Câmara, com méritos, já deixou de ser promessa para estar próximo de se tornar realidade.

Compartilhar

Muito obrigado por participar. Forte abraço, Americo Teixeira Jr.