Com um ano de atraso, Robert Kubica prova que é maior do que seus infortúnios físicos, mentais e financeiros

Por Américo Teixeira Junior – Fotos Williams F1

Quando a Fórmula 1 aterrizou em São Paulo para o Grande Prêmio do Brasil do ano passado, Robert Kubica já era piloto da Williams.

Um contrato já estava assinado e foi até brindado em um jantar naquela semana num restaurante nobre da cidade.

Tudo, porém, foi “atropelado” semanas depois, uma vez que chegou à mesa de Claire Williams uma proposta, considerada “irrecusável”, por parte de uma delegação russa falando em nome de Sergey Sirotkin.

Números não confirmados falaram na época de 23 milhões de euros, contra os 8 milhões de euros que o polonês aparentemente conseguira angaria junto a seus apoiadores.

Seguiram-se dias de negociação entre a equipe o representantes do devoto de João Paulo II. Acordou-se, ao término, o formato que foi visto em 2018.

Cerca de um ano depois, com atraso até providencial se levarmos em conta a performance da Williams em 2018, Robert Kubica foi anunciado hoje como titular para 2019.

E a vida segue.

 

Compartilhar

Muito obrigado por participar. Forte abraço, Americo Teixeira Jr.