Por Americo Teixeira Jr. – Sob a ótica brasileira, não deixou de ser uma temporada positiva a de 2014 da Fórmula 1, pois mostrou Felipe Massa “renascendo” e Felipe Nasr escapando com méritos do enorme grupo daqueles que “nadaram, nadaram e nadaram, mas morreram na praia”.

Massa teve papel importante na reconstrução da Williams, que voltou a ser uma equipe de respeito. Apesar de todas as manifestações de amor eterno, o vice-campeão de 2008 deixou a Ferrari, no final do ano passado, em baixa. Chegou até a ser cogitada a sua aposentadoria como piloto de Fórmula 1. Mas esse Diário Motorsport teve a oportunidade de antecipar sua ida para a Williams, assim como a parceria com a Martini e a chegada de um piloto reserva também falando português. O que se viu, já na abertura do campeonato, na Austrália, foi um Massa diferente. Um diferente para melhor que foi ficando melhor ainda durante o ano. Foi uma boa retomada.

Com Felipe Nasr a história é similar no que tange ao progresso, pois garantiu um lugar como titular na Fórmula 1. O fato de estar acontecendo na Sauber não é relevante por dois motivos. O primeiro deles é que, salvo o fechamento de suas portas, nada pode ser pior do que 2014 para a equipe de Peter Sauber. Além disso, não consigo ver esse acordo Nasr/Sauber como algo isolado. Tenho claro para mim que é apenas a parte visível de algo muito maior, um grande acordo que ainda não foi revelado, mas que não descobri ainda o que é. Mas assim que eu descobrir, sem dúvida, contatarei aqui.

Felipe Nasr e Felipe Massa (Foto Beto Issa/GP do Brasil/quinta, 06.11.2014)
Felipe Nasr e Felipe Massa (Foto Beto Issa/GP do Brasil/quinta, 06.11.2014)

1 COMENTÁRIO

  1. Massa não me decepcionou. Ao saber, aqui, através do Américo, que a Martini vinha junto, melhor ainda. Falava-se muito na equipe Mercedes e,
    contudo isto, lembrei do Massa na nova equipe e com o propulsor que equipava sua nova equipe, poderia surpreender. Ao meu ver, a sorte,no inicio não o favoreceu mas, no decorrer no ano, seu trabalho e persistência, mostraram o resultado. Deu uma de mineiro, trabalhou em silêncio, comeu pelas beiradinhas, mesmo com o acelerado Bottas, parecendo que ia “apaga-lo”, acabou mostrando seu valor e, com toda certeza, no final, valorizado pela equipe, mais do que já era, pois seu contrato já estava renovado, como Américo, mais uma vez, nos informou.
    Uma verdade, sob minha ótica, jamais deve ser substimada: Quem anda bem na água irá bem em qualquer lugar. Logicamente o equipamento terá que contribuir. Espero que no ano vindouro os resultados apareçam e consagrem
    o Massa definitivamente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here