Por Americo Teixeira Jr. – A Rede Bandeirantes de Televisão e a IndyCar anunciaram hoje a manutenção da parceria que por alguns meses pareceu fadada ao rompimento. Nessa sexta-feira, o presidente do Grupo Bandeirantes,  Johnny Saad, anunciou não apenas a continuidade das transmissões para o Brasil (como o Diário Motorsport havia antecipado em 5 de março), como também a reinclusão do país no calendário de 2015.

Realizada em São Paulo de 2010 a 2013, a ausência da prova brasileira no giro internacional da IndyCar representa na prática um hiato de um ano, visto estar acordada a realização de quatro eventos em Brasília, de 2015 a 2019. O anúncio foi feito na presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, que ratificou o compromisso de reformar o Autódromo Internacional Nelson Piquet para receber, em 8 de março, a prova de abertura da temporada de 2015.

Governador Agnelo Queiroz,  o presidente do Grupo Bandeirantes Johnny Saad o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva  (Foto Denio Simões/GDF)
Governador Agnelo Queiroz, o presidente do Grupo Bandeirantes Johnny Saad o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva (Foto Denio Simões/GDF)

6 COMENTÁRIOS

  1. olha aí a força do jeitinho político brasileiro… que mais do que resolver, cria dependência da solução pela política.

    ano passado, pra quem não sabe, a rede Bandeirantes, que ao contrário da rede Globo, não só meteu o pau no governo petista como se negou a fazer declarações contra o regime militar e a puxar o saco dos comunistas e socialistas, que por sua vez, enquanto governo, têm acesso e poder para retirar as concessões dos meios de comunicação no país.

    passo seguinte, o governo Dilma dá sinal vermelho à Band e a sua promoção, e retira os patrocinadores de peso que viabilizariam as provas em São Paulo, pesos pesados como APEX, Banco do Brasil, ou os Correios que pagaram cotas de R$ 65 milhões cada um, pelo menos, para estarem associados ao evento.

    a prefeitura de São Paulo nada mais era do que uma apoiadora, o que aliás é o dever de qualquer instituição pública. de modo que o governo federal também o foi, e isto é louvável – não sei até porque não explora o excelente trabalho que a APEX realiza promovendo a geração de negócios e parcerias multilaterais de peso, estando associada ao evento desde 2009, como por exemplo, viabilizando o etanol do Brasil (“Experience our Energy”) mover os motores e corridas da formula Indy nos EUA.

    talvez seja a cartilha ideológica, talvez seja o pragmatismo político eleitoral. provavelmente as duas coisas juntas.

    no fim, só o dinheiro salva ambas.
    assim, dê ao mercado o que é do mercado, e a política o que é da política.

    o fato é que, quem dá as cartas da vez é o PT de Lula, e foi isto que ele lembrou posando na foto.

    por que estava lá então é óbvio. a questão definitiva é…PARA QUE ?…

  2. Uma prova da MotoGP e da Fórmula Indy, bem feita e bem administrada, movimenta em qualquer lugar do mundo mais de 100 mil pessoas. Olhem para a Argentina, que já deslumbrou essa possibilidade. É um público maior do que qualquer joga da Seleção Brasileira. Brasília tem vocação, infraestrutura, hotéis próximos, Lago Paranoá no centro da cidade e despoluído, facilidade que só é encontrada aqui. Um Estádio com capacidade inferior apenas do Maracanã, possibilitando show de qualquer megastar.
    Vamos transformar Brasília na Capital do Esporte e do lazer.
    Não consigo entender como os administradores do esporte no Brasil ainda não enxergaram isso.
    Sem falar na renda per capita, que é uma das maiores ou a maior do Brasil.
    Acordam produtores! Acordam organizadores! Acordam administradores!
    Fui.

  3. Graças à Deus estão acordando para Brasília, que tem um potencial enorme para o esporte. O autódromo de Brasília fica no centro da cidade, perto dos principais hotéis e de vários shopping. Não precisa nem de condução, da para ir a pé. Não existe isto em nenhuma cidade brasileira. Em Brasília você tem um estádio, um ginásio e um autódromo perto das principais atrações da cidade, com uma infraestrutura já montada. Temos um lago despoluído no centro da cidade, que possibilita a realização de qualquer evento náutico. Isso não existe em lugar nenhuma do Brasil.
    Trazer a MotoGP e a Fórmula Indy para Brasília trata mais público do que a Copa do Mundo.
    Acordem políticos. Brasília foi construída, sem quer querem, como diz o nosso amigo Chaves, com um vocação nata para esporte. Pista largas e com um trânsito fácil de administrar.
    Acorda Brasil! Brasília ainda tem todo um turismo cívico, que precisa ser divulgado. Não é um turismo político e sim um turismo cívico, patriota, da Nação brasileira, longe dos políticos.
    É isso que temos de mostrar para o mundo.
    Abraço.

  4. Lamentável a quebra de contrato também com a prefeitura e a cidade de São Paulo. Não conheço o autódromo de Brasília, mas com certeza reformá-lo custará muito mais do que manter a prova no Anhembi e a presença do público será muito menor, e os camarotes corporativos deverão ficar vazios, pois as empresas terão um custo adicional de deslocamento e hospedagem de convidados que na sua maioria estão em São Paulo. Uma pena o mal exemplo que o Brasil dá novamente ao não honrar a palavra e o que foi assinado.

    BAND abra mão da Indy para outra emissora, com certeza será melhor para todos!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here