O piloto perdeu 12 kg e estado de saúde exigiu alguns dias na UTI

Por Américo Teixeira Junior

Acompanhe o Diário Motorsport no YoutubeTwitter e Facebook

Como piloto, Djalma Fogaça acumula conquistas no kart, monopostos brasileiro e internacional, categorias de turismo e caminhões – Fotos DUDA BAIRROS/+Brasil (Cascavel, PR, 02.10.2020)

Depois de 21 dias internado por Covid-19, Djalma Fogaça retornou na noite desta segunda-feira, 26, à sua residência em Sorocaba, interior de São Paulo. Apesar da aparência abatida e de 12 kg mais magro, foi mais um intenso desafio vencido pelo piloto e chefe de equipe.

O “Monstro” se sentiu mal na segunda-feira, 5, logo após a etapa da Copa Truck em Cascavel (PR), e precisou ser internado no dia seguinte, em sua cidade. A aparente rápida melhora permitir rápida alta hospitalar, mas o agravamento do quadro clínico, apenas algumas horas depois de chegar em casa, exigiu nova internação. “Assim que teve alta, chegou em casa muito estranho e sem forças, saturação muito baixa, e achamos melhor mandar para outro hospital verificar os exames”, disse seu filho, o piloto e chefe de equipe Fábio Fogaça.

Nesse período, segundo Fábio, houve comprometimento de aproximadamente 50% da capacidade pulmonar, o que exigiu alguns dias na UTI. De início, a doença impactou de forma muito intensa o ânimo do campeão brasileiro de Fórmula Ford e Fórmula Chevrolet. Entretanto, atuaram positivamente as mensagem de fé e carinho que recebeu. Fossem mensuradas, certamente estariam em milhares.

Carismático e acessível, Fogaça é um dos mais populares pilotos do Brasil e, ainda ontem, enviou mensagem pelas redes sociais, na qual agradeceu pelas manifestações e reiterou o alerta para a gravidade da doença. A partir de agora, precisará seguir com medicações até concluir o ciclo do tratamento.

Conheça um pouco mais sobre a carreira e a vida de Djalma Fogaça na entrevista exclusiva que o Diário Motorsport publicou em cinco partes:

Djalma Fogaça: “Perante os órgãos públicos o automobilismo é nada” – Parte 1/5

Djalma Fogaça: “Se eu tivesse me aplicado mais, teria ido muito mais longe” – Parte 2/5

Djalma Fogaça: “Eu tinha uma bala só na agulha e só percebi isso depois que eu atirei” – Parte 3/5

Djalma Fogaça: “O médico disse – ‘Levante as mãos para o céu todos os dias por não ter ficado paralítico’” – Parte 4/5

Djalma Fogaça: “Na Fórmula Truck, vivi todas as fases e ganhei muito dinheiro, mas perdi tudo lá e fiquei até o fim” – Parte 5/5

O Diário Motorsport faz Jornalismo Independente e comprometido unicamente com o Leitor. Se você aprecia nosso trabalho, participe para que possamos continuar. CLIQUE AQUI e conheça os benefícios

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here