large

(Por Américo Teixeira Jr., com informações da Associated Press e Miami Herald)

Esta sexta-feira, sexto dia de deliberações dos jurados no julgamento dos Castroneves, começou “quente” na Corte de Miami. Dois “pesos-pesadíssimos” da advocacia norte-americana juntaram argumentos para pressionar o juiz Donald Graham para o término imediato do julgamento, essa espécie de maratona torturante que parece não ter fim. Enquanto isso, ao mesmo tempo que os jurados manifestam mais dúvidas, “em extrema agonia” (nas palabras do advogado Robert Bennett) os réus Hélio Castroneves, Katiúcia Castroneves e Alan Miller aguardam.

O juiz Donald Graham aparentemente começou esta sexta-feira distribuindo uma saraivada de “Não”. Ele negou o pedido de Roy Black, advogado de Helinho e premiado com o título de Melhor Advogado dos USA (prêmio dado associação Best Lawyers in America), que solicitou a divulgação imediata dos pareceres já concluídos e o encerramento do julgamento, visto a dificuldade apresentada pelos jurados. Corroborou para isso o novo pedido de transcrições feito hoje pelos jurados, desta vez negado por Graham.

Na mesma linha de Roy Black, Robert Bennett pediu que pelo menos fossem divulgados os vereditos relacionados ao seu cliente, Alan Miller, tendo em vista o fato de o júri ter deliberado sobre todas as quatro acusações às quais responde o advogado esportivo do piloto brasileiro. Vale dizer que Bennett, talvez o profissional presente ao julgamento com o humor mais apurado, é mundialmente famoso por ter livrado o ex-presidente Bill Clinton do caso Monica Lewinsky.

A promotoria, representada pelo promotor público federal Matt Axelrod, foi frontalmente contrário também a essa solicitação da defesa, argumentação essa que novamente recebeu a acolhida de Graham. Logo, os trabalhos continuam.

Permito-me aqui a divagar sobre uma tese, que se muito descabida tenho ao meu favor o direito de opinar e a minha ignorância em direito. A promotoria já sentiu que os vereditos concluídos são no sentido da absolvição e o término do julgamento daria uma derrota ao governo, pois todas essas dúvidas são relativas ao apresentado pela promotoria. Além disso, fossem cabalmente culpados provados, Helinho, Kati e Miller já teriam ouvido o veredito na sexta-feira da semana passada, quando começou a a maratona. E nos ensinamentos do Dr. José Maria da Costa, ex-juiz e autor do indispensável Manual de Redação Profissional (Millennium Editora), IN DUBIO PRO REO. que em bom português significa: Se os jurados têm dúvida, absolvam-se os réus. Simples!

Hélio Castroneves atende a imprensa na saída da Corte de Miami (Foto Miami Herald)

2 COMENTÁRIOS

  1. Queridos,

    Acabei de saber quea justiça foi feita!!!! Tanto Helinho, quanto Kati, quanto o adv. Alan Muller foram inocentados de todas as acusações! Graças a Deus deu tudo certo e nós continuaremos a vibrar e torcer pelos Castro Neves!

    abços

    Marina

  2. É..essa é mais uma verdade…porque se nem os jurados estão entendendo, como poderiam eles considerar alguém culpado???
    Que Deus ilumine as idéias do juiz Donald Graham, também, por favor… Esse homem, pelo visto, não tá colaborando muito p/ o fim dessa tortura…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here