HelioCastroneves_AyrtonSenna_1990Por Helio Castroneves – Há 20 anos o automobilismo perdia um tricampeão mundial de Fórmula 1 de maneira muito trágica, mas para a geração de pilotos da qual eu faço parte, o falecimento do Ayrton Senna representou algo muito maior do que a inexorável certeza de que, um dia, todos nós daqui partiremos. Ayrton não era somente um grande, fenomenal piloto. Ele meio que carregava nas costas a responsabilidade de ser o grande exemplo para jovens no mundo todo que se inspiravam nele em busca do sonho de sucesso no automobilismo.

O Brasil, na verdade, foi agraciado com gigantes do automobilismo que nasceram muito próximos uns dos outros. Que outro país no cenário da Fórmula 1 conseguiu quase que na seqüência ter três campeões mundiais? Os anos 70 foram marcados pelos títulos de Emerson Fittipaldi e logo em seguida foi a vez do Nelson Piquet. Claro que todos nós tínhamos também esses dois grandes campeões como referências, mas o fato de o Ayrton ser o mais novo deles acabou coincidindo com a minha geração.

Quando eu nasci, em 1975, o Emerson já era bicampeão mundial. Em 1987, quando ganhei meu primeiro kart e comecei a treinar, o Nelson estava conquistando o seu terceiro título mundial. Mas eu já estava competindo para valer quando o Ayrton foi campeão em 1988. No ano do bi – 1990 – eu já era piloto graduado de kart e no seguinte, quando ele faturou o tricampeonato, estava me despedindo do kart para começar no ano seguinte minha carreira nos monopostos.

Nunca vou esquecer o dia em que fui correr na fazenda do Ayrton em Tatuí, interior de São Paulo. Isso foi em 1990. Ele havia construído uma pista de kart e convidou alguns pilotos do tempo dele e a molecada que corria naquela época, Foi demais e, confesso a vocês, foi algo que me marcou profundamente. Imaginem vocês como foi aquilo para um garoto com seus 15 anos, ter a oportunidade de se encontrar com o ídolo e disputar uma corrida com ele? Gente, isso vai ficar no meu coração para sempre.

Quando o Ayrton morreu, eu já era piloto de Fórmula 3 e foi um choque. Algumas pessoas chegaram a sugerir que eu não continuasse com a minha carreira, que procurasse algo sem os perigos do automobilismo. Mas como os exemplos do Ayrton sempre calaram muito fortes no meu coração e na minha mente, também foram valiosos para seguir em frente. Ele marcou sua carreira pela dedicação, coragem de enfrentar todos os obstáculos e força de vontade para seguir em frente.

Deus quis que o Ayrton fosse para junto Dele mais cedo. São essas coisas que a gente não entende, mas como disse no meu livro, Deus tem sempre um plano. E o que ficou para mim foi um modelo de profissional, de piloto, de ser humano. Então, posso dizer que o Ayrton está no coração de cada piloto das diversas gerações que o tiveram e o têm como referência. E essa referência é tão forte que é como se ele estivesse vivo. Pode não estar vivo na forma que nós conhecemos, mas sem dúvida está vivo na Eternidade.

Anuncio2lapizta

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here