Uma hipotética saída de Felipe Massa da Williams significa jogar por terra o programa de desenvolvimento iniciado em 2017

Por Américo Teixeira Junior

Felipe Massa entende o idioma das pista e também o dos bastidores (Fotos Glenn Dunbar/Williams F1 Media)

Caso a lógica impere, qualquer discussão sobre o teammate de Lance Stroll em 2018 é inócua, pois não faz o menos sentido remover Felipe Massa da posição. Salvo uma imposição contundente do poder econômico, a evolução da Williams e do piloto canadense passam necessariamente pelas mãos do brasileiro vice-campeão mundial.

O fato de a equipe ter se reestruturado e investido em pessoal qualificado, revela estar em franco desenvolvimento um projeto para a equipe fundada por Frank Williams voltar a figurar entre as protagonistas da Fórmula 1, mesmo estando vulnerável à necessidade de recursos.

O presença de Stroll reflete essa vulnerabilidade, mas nem por isso deixou de ser uma aposta no futuro, pois é visível a evolução do piloto, que inegavelmente se destacou nas categorias de base. Sim, pois há um limite para o poder do dinheiro no automobilismo. Vagas, compram-se, mas moeda alguma se converte em qualidade e resultados.

Felipe Massa faz parte dessa engrenagem dentro das pistas, mas principalmente fora delas. Referência técnica e desportiva, é indispensável uma bagagem como a dele na hora de discutir procedimentos e soluções. Já Stroll está incapacitado de fazê-lo por estar ainda, por assim dizer, tentando descobrir para que lado vira a coisa.

É fato que o pai do canadense é sócio da Williams, dono de uma quantidade não revelada de ações. Estima-se que teria comprado 30% das ações pertencentes a Frank Williams. Independentemente de esse número ser correto, a verdade é que sua palavra tem peso, sendo lícito supor que advogue pela manutenção de um formato que tende a evoluir se a Williams for capaz de entregar um carro promissor em 2018.

Não se pode desconsiderar que os “Irma” da vida também sacodem a Fórmula 1 de tempos em tempos, mas em tempos de, quando muito, “tempestades tropicais”, Felipe Massa fica onde está.

Compartilhar

15 COMENTÁRIOS

  1. …nao me lembro de nunca o massa ter falado , estou aqui (f1) pra ganhar corridas e campeonato, mas ao contrario, quero que a equipe “me queira” , me sentir importante , ajudar no desenvolvimento do
    carro , vai pra casa massa, ja deu o q tinha que dar

  2. Tem nego q nunca disputou “campeonato de carrinho de rolimã” ai é ainda quer execrar pilotos em atividade, si é bom como ás criticas, vai lá é se candidata a vaga,ponto

    • Seguinte, amigão:
      Cada um dentro da sua competência, certo?
      Tenho certeza de que sou competente na minha função, assim como você, Beto, deva também o ser na sua, ok!
      Agora convenhamos, o “Língua Presa” já deu prazo de validade faz tempo, e isso não sou eu quem está dizendo, é a própria imprensa especializada, e não só a brasileira!

  3. Tem alguma coisa muito errada acontecendo com o Time de Sir Frank, a Williams não vai pra lugar nenhum a pelo menos três anos!! A equipe deveria estar correndo atrás de um cara como Sérgio Perez, pra tentar alguma coisa. Essa indecisão entre Felipe Massa, Kubica e o primo do Dario Franchiti, da o tamanho do apetite do time atualmente. A quanto tempo o time não é mais competitivo!! Pensa bem… Apesar de usar motor Cosworth, foi a que primeiro carro do Barrichello

  4. Longe de mim, desqualificar a matéria e o tão pouco o reporte. Entendo até sobre a argumentação, mas dessa forma está mais para um Consultor do que para um Piloto em atividade. A teoria, não funciona sem a prática. Sei lá, acho que é a mesma coisa de eu querer contratar um vendedor que manje tudo de vendas, dê uma aula. Mas não consegue fazer uma. Acho que é um pouco isso que está acontecendo com o Felipe.

  5. Massa não teve seu contrato renovado com a equipe no final de 2016, o que mostrava que a Williams não tinha mais nenhum interesse em qualquer ajuda que a experiência e simpatia do brasileiro pudesse trazer ao time. E nenhuma outra equipe o quis – daí a “aposentadoria”. Foi recontratado de repente pela Williams, na esteira da contratação do Bottas pela Mercedes. É provável que uma (boa) parte do salário do Massa este ano esteja sendo pago pela Mercedes. Ano que vem, a mamata acaba, e o salário passará a ser devido por Sir Frank em pessoa. E ele morre de medo daquele escorpião no bolso! Assim, o que faz sentido mesmo é o Massa ir correr de F-e. Ou na Stock Car.

  6. O Massa já está na Williams há 4 temporadas, mas em vez de evolução, parece que a equipe está piorando ano a ano.
    Os ex-companheiros dele, Raikkonen e Bottas, com os quais ele disputava em igualdade, são claramente inferiores aos atuais Vettel e Hamilton. Em outras palavras, ele se equivale a esses segundos pilotos.
    É um ótimo piloto, mas a Fórmula 1 exige mais do que isso.

    • Eu concordo com o sr. Ele e’ otima pessoa, porem como piloto ele e’ no maximo bom. Aconteceu alguma coisa com ele depois do acidente. Ele perdeu o arrojo. E como o sr. disse a F1 exige muito arrojo, veja por exemplo o Senna e o Verstappen.

  7. #falaséééério!
    Desculpe aí, amigão!
    Felipe “Bate-e-Amassa” ser considerado pelo escriba como o responsável pela evolução do Stroll e indispensável para o time em 2018 é querer forçar demais a barra!
    No way!

      • Assim como você tem o direito de achar o “Zacarias” a última bolacha do pacote, eu também tenho o direito de achá-lo um “zérruela” e “zero-à-esquerda”, para ser econômico nos adjetivos ok!
        Absurdo total imputar ao aposentado ainda em atividade, a responsabilidade tanto pelo amadurecimento do Stroll, como pelo programa de desenvolvimento da equipe.

          • Tenho certeza absoluta que “Gilberto Silva” deve ser um avatar do indigitado “Zacarias”, vulgo “Lingua Presa”!!
            Impressionante, a maioria absoluta da imprensa internacional acha uma coisa, mas o “Gilberto Silva” teima em achar diferente. . .
            Em tempo, “Herr Doktor” Helmut Marko lhe manda um abraço. . .de urso!
            Leia o que ele disse à respeito do seu pilotinho “demi-bouche”. . .

Muito obrigado por participar. Forte abraço, Americo Teixeira Jr.