Por Americo Teixeira Jr. – Embora diversas reuniões tenham sido realizadas em 2012, tendo saído delas declarações otimistas sobre o início das obras em 2013 e inauguração em 2014 do autódromo de Deodoro, pelo governo do Estado do Rio e sob a cobertura financeira do Governo Federal, não há um único centavo previsto no Orçamento Geral da União (OGU) ou no do Ministério do Esporte para tal fim no atual exercício.

Detalhado em um colosso de aproximadamente 4.000 páginas e prevendo despesas da ordem de R$ 2,28 trilhões, o OGU foi sancionado na semana passada pela presidenta Dilma Rousseff, com atraso em razão de o Congresso Nacional só tê-lo aprovado no final de março, ao invés de fazê-lo em dezembro, antes do recesso parlamentar.

O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o site do Orçamento Federal e o Diário Oficial da União dispõem de inúmeras ferramentas de pesquisa para que todo o conteúdo do OGU possa ser vasculhado pelo cidadão. Nele é possível saber que o ministério chefiado pelo ministro Aldo Rebelo tem um orçamento para 2013 da ordem de R$ 3,5 bilhões. E nada para o cumprimento da tal promessa.

 

Compartilhar

7 COMENTÁRIOS

  1. FALTOU CULHOES ROXO DE VERGONHA PRA ESTES CARTOLAS DA cba E DA faerj
    NAO DUVIDO DELES ESTAREM CULIADO COM A CAMBADA QUE IDEALIZOU A DESTRUICAO
    ELES NAO PASSARAM FRIO,SEDE,CALOR E ATE FOME PRA AJUDAR A CONSTRUIR A PISTA DE JPAGUA NOS ANOS 70
    ESTA CARTOLAGEM TAMBEM NAO E CONFIAVEL
    JOSE CARLOS

  2. E o cara de pau do ministro dos esportes, Rabelo, disse no roda viva da cultura dia 08 que é certeza que o autodromo de Deodoro será construído …. Pqp como o PT mente

  3. O Brasil não tem incentivo a alguns esportes, pilotos que não tem um pai rico sofrem para conseguir se profissionalizar. Patrocínio é algo ridiculamente difícil no Brasil para qualquer esporte, mas coloco o Automobilismo como uma dificuldade maior.

    Dificuldade essa por não existirem mais pilotos de ponta na F1, todos desacreditam ainda que alguém possa chegar lá, dificuldade porque o governo não está nem aí para o tal “esporte de elite”, nenhum campeonato é transmitido com seriedade pelas TVs brasileiras, o que dificulta ainda mais.

    Realmente é muito caro uma temporada em qualquer campeonato de esporte a motor, desde o kart até a Stock Car. Em um campeonato Paulista de Marcas e Pilotos, gasta-se em média R$ 7.000,00 por corrida e não garanto que será um carro de ponta.

    As Olimpíadas destruíram um circuito histórico, onde andaram pilotos como Ayrton Senna, Nelson Piquet, Prost e muitos outros. O Rio de Janeiro perdeu a sua raiz do automobilismo para um evento que irá durar 1 mês, no máximo, e esses complexos esportivos que vão fazer no lugar de Jacarepagua serão grandes “elefantes brancos”, que ficarão largados, pois esporte no Brasil só interessa se encher o bolso, após a olimpíada, não fará mais sentido.

    Mas vão dar um jeito de deixar os críticos mais calmos, fiquem tranquilos, logo a Globo, a Prefeitura do Rio, CBA e a Vicar vão criar uma corrida da Stock Car nas ruas de Copacabana, pra enganar aos amantes deste esporte chamado Automobilismo.

    Deodoro sempre foi um fetiche, quase como um homem transar com duas mulheres, mas acho mais fácil convencer uma mulher a colocar outra na cama, do que o Autódromo de Deodoro sair do papel.

    Apesar de gostar muito de Futebol, hoje não podemos falar que é um esporte pro pai levar o filho, pois há muita rivalidade dentro e fora dos estádios, o Automobilismo é diferente, os pais levam seus filhos às corridas e consegue-se ver a emoção de um pai quando vê o brilho nos olhos do seu filho, vendo as máquinas em alta velocidade cruzando a reta a sua frente.

    Enfim, fico triste pelo Rio de Janeiro, fico triste pelo Automobilismo, fico triste pelas crianças que lá no Rio não vão poder acompanhar de perto a sensação de adrenalina que corre no sangue quando se vai assistir a uma corrida de qualquer esporte a motor.

    E cada vez mais o Automobilismo no Brasil fica decadente, esperando que uma alma que realmente goste de corridas presida uma Entidade que era pra ser séria, mas que infelizmente não é. Obrigado CBA por destruir nosso esporte.

  4. Tudo o que está acontecendo ou melhor, deixou de acontecer, já era esperado, por mim, desde a audiência, prefeitura, CBA etc., na 6a. Vara da Fazenda Pública, em 2006. Naquela ocasião, ficou acertado em acordo judicial, que a prefeitura iria realizar obras do autódromo em 2008, para adequá-lo, a nova realidade, em vista que iria ficar “capenga” devido as obras do tal Pan de 2007. No entanto, como já se sabia, antecipadamente, que a tratativa envolvia a prefeitura, leia-se poder público e políticos, com toda carga negativa própria destes espécimes, somada a “loucura” peculiar do então prefeito e sua politicagem,barata e suja, nada iria acontecer como não aconteceu.
    Na verdade eles queriam uma brecha para por o pé no autódromo, desmontá-lo e negociar com os empreiteiros, tudo obedecendo a uma orquestração, por etapas, para que não houvesse uma grita que pudesse atrapalhar seus planos obscuros e anti-éticos.
    Em resumo, o que já se esperava do poder público, ocorreu exatamente nesta sincronia, infelizmente.
    Desta forma, o Rio, com relação ao automobilismo, mais uma vez, está na contra mão da história, engrenado em uma marcha ré jamais vista, tudo por culpa de políticos desonestos, incompetentes, de visão curta e embaçada.

  5. Jacarepaguá morreu quando foram inciadas as contruções para o Pan de 2007. Depois disso ficou muito mais fácil acbar com o autódromo.

    Só digo uma coisa: Interlagos que se cuide. Se a F1 sair de São Paulo, vão abandonar a pista a própria sorte e daí para a morte, é só questão de tempo. E pelo andar da carruagem, esse prefeitozinho, desse partidozinho que odeia automobilismo, quer seguir o mesmo rumo.

Muito obrigado por participar. Forte abraço, Americo Teixeira Jr.