GT3 - Interlagos - 27 Jun 09Por Américo Teixeira Junior – O automobilismo está de luto. O presidente licenciado da Federação de Automobilismo de São Paulo, professor Rubens Carpinelli, faleceu na tarde de hoje na cidade de Jacareí, interior de São Paulo. Seu corpo será cremado na mesma cidade.

Dirigente dos mais atuantes no automobilismo, Carpinelli usava um marcapasso e enfrentava problemas respiratórios nos últimos tempos. Nosso eterno professor havia completado 88 anos no último dia 7 de setembro.

Com formação de projetista industrial, trabalhou por um curto período nos Estados Unidos, entre os anos 50 e 60, mas foi como professor que desenvolveu uma carreira brilhante e que foi uma espécie de “ponte” para o automobilismo, visto que alguns de seus alunos – dentre eles Emerson Fittipaldi – já começavam a trilhar os caminhos do esporte.

De frequentador de Interlagos para dar uma força aos alunos, Carpinelli passou a se envolver inicialmente no kartismo, já na federação paulista. É daí o seu relacionamento com Ayrton Senna, pois foi o chefe da delegação brasileira em um dos mundias dos quais o falecido tricampeão participou.

Assumiu a presidência da FASP por diversos mandatos em, nesse período, esteve muitas vezes cotado para assumir a presidência da Confederação Brasileira de Automobilismo. Sempre recusou a eventual candidatura, porém, em função de seus compromissos na cátedra paulista. Apesar disso, sempre foi uma voz atuante no automobilismo brasileiro, defendendo com forma veemente suas convicções na assembléias e encontros da entidade.

Embora as diversas gerações de pilotos nem sempre concordassem com suas posições, Carpinelli sempre teve o respeito dos competidores de todas as idades. As posições poderiam ser contrárias, mas nunca faltou o respeito da parte dele para com os esportistas, de modo que a recíprova era quase que invariavelmente verdadeira.

Era uma voz sábia, experiente e, sobretudo, ouvida. Praticamente todos os pilotos que o conheceram têm histórias para contar desse convívio, assim como toda a comunidade do automobilismo.

Não era, obviamente, uma unanimidade, pois o exercício da presidência resulta em decisões nem sempre totalmente aceitas. Mas uma coisa é possível dizer que Rubens Carpinelli era praticamente uma unanimidade: no respeito no trato, na sabedoria de suas palavras e, agora, na saudade que deixará.

 

Compartilhar

13 COMENTÁRIOS

  1. O mais íntegro, competente e imparcial dos Comissários que conheci. Sinto muito,é uma grande perda. Que tenha deixado legado e sucessores. Vá com Deus meu querido Amigo Comissário.

  2. Seu Rubens era meu vizinho. Morávamos no mesmo prédio em Pinheiros. Sua modéstia acabou por esconder de nós, seus vizinhos, a sua importância que agora tomo conhecimento através deste artigo. Acompanhei parte de seus últimos dias à distância, pois ele mudou para o Interior e piorou seus males, agravados pela sua condição de fumante. Conheci-o como ser humano e sinto uma enorme frustração por não ter podido dizer-lhe o quanto o admirava como cidadão. Seu denodo nas atenções com a esposa nos tocava a todos no prédio. Sua alma merece um lugar ao lado do nosso Deus por tudo o que fez. Esteja em Paz, Seu Rubens. Meus profundos respeitos por tudo o que viveu e conquistou. Um dia nos encontraremos e o abraço estará guardado para ser-lhe entregue.
    Victor Saeta

  3. Tive o prazer de conhece lo e partilhar um pouco da amizade desse que foi um grande homem, combatido por alguns e admirado por muitos, respeitado por todos. que descanse em paz, Logo , logo estaremos juntos professor. A sua familia meus sinceros sentimentos.

  4. Mais que um professor, muito mais que um dirigente, um ser humano maravilhoso, um amigo de horas difíceis, um mestre da vida. Meus sinceros sentimentos a toda a sua família. O automobilismo perde uma de suas mais importantes figuras.

  5. Olá Américo. Estou por aqui e não poderia deixar de estar, prestando minha última homenagem para aquele que a 43 anos, me trouxe para o mundo tão fascinante do automobilismo. Eu na época com meus 15 anos mais ou menos, era seu aluno de matemática no Instituto Mackenzie e um dia, sem saber o que ele já era dentro do automobilismo fiz um comentário que adorava aquele mundo. Foi ele que me convidou para ir assistir a uma corrida e aí nunca mais parei…

  6. Entre as diversas colaborações que prestou ao Automobilismo Brasileiro durante décadas, estava ele já com a idade avançada e ainda assim, se dedicou a desenvolver p/ CBA a categoria ainda pouca conhecida a “Velocidade na Terra”,foi quando trabalhamos juntos, viajando p/ todo País p/ quase 10
    anos seguidos. Foi sempre um grande mestre,. “Professor” tenho orgulho de ter convivido e ter aprendido muito contigo. Que Deus te ilumine!!.

  7. Meu professor de Desenho, no segundo grau no Instituto Mackenzie, companheiro de clube/ E C Pinheiros, vale paraibano, dirigente exemplar e um bom amigo.

  8. meus sinceros sentimentos aos familiares, além de conhece-lo do automobilismo foi meu professor de matemática no colégio, sempre um cavalheiro

  9. Não só professor, não só dirigente mas, antes de tudo um amigo, um pai. è com muita tristeza ver amigos, do meu tempo na FAERJ irem. Um tempo que se foi, onde todos falavam a mesma língua, o entendimento unânime e o esporte acontecia, em ritmo crescente. Escutei sempre os amigos mais antigos no esporte, como a saudosa Julita Campos, o Mihaly, com n vezes mais experiência do que eu no automobilismo e o Professor Carpinelli era um deles, sempre com um conselho, com um bom conselho que redundava em sucesso após colocado em prática. Em nossa AGO ou AGE, na CBA, tinha sempre uma “palavra” sensata em que fazia baixar as tenções, pois falava a voz da experiência e a vontade férrea em querer tudo de melhor para o automobilismo…nacional. Vai meu bom amigo, meu “pai”, pois com toda certeza farás muita falta para este esporte que tanto amamos. Que Deus o tenha e o abençoe e que os anjos digam amém.
    Do amigo Dáquer.

Muito obrigado por participar. Forte abraço, Americo Teixeira Jr.