20155301736911_2015-stock-04-curitiba-class-caca-terena_IIPor Americo Teixeira Jr. – A CBA cometeu um erro de avaliação profundo ao punir o piloto Cacá Bueno. Valendo-se de um fato isolado e pontual, a entidade entendeu que, punindo-o, estaria salvaguardando a sua autoridade. Ao invés disso, simplesmente trouxe para sua direção uma saraivada de críticas e ampliou o abismo entre o meio automobilístico e ela própria.
As grandes lideranças conquistaram autoridade ao longo dos tempos pela atitude, pela condução firme, pelo propósito claro, pela transparência das ações. Canetada alguma confere significância, ao contrário, amplia distâncias. E foi isso que a CBA conseguiu. Teria sido mais inteligente aproveitar o episódio para educar os pilotos e as pessoas que estão no entorno de um evento automobilístico. Teria sido mais inteligente, mas não o foi.
O entendimento educativo deu lugar à truculência “corporativa”, em lugar de impor-se através da excelência de conduta, a entidade preferiu tentar calar um dos poucos nomes do nosso esporte que não fala pelos cantos, que se manifesta abertamente e tem um posicionamento firme. Há duas maneiras de acabar com as críticas e a história mostra isso com clareza. Ou você elimina o erro que mereceu crítica ou tenta calar o crítico.
Houve uma falha pontual em Ribeirão Preto, que obviamente deveria ter sido evitada, mas errar é da vida. A manifestação de Cacá Bueno foi grosseira, mas igualmente pontual e no calor de um momento de grande tensão. Por se tratar de uma ocorrência de exceção, merecia uma reação madura. Mas como o caminho foi o de mostrar autoridade no Trubunal, agravou ainda mais uma relação que carece de atitudes firmes para que a confiança seja restaurada.

3 COMENTÁRIOS

  1. Por um período prolongado me mantive afastado e abstive de tecer comentários que envolvesse a atual administração, quer por não reconhecer sua autoridade quer por conhecer seus membros e a forma como a atual diretoria foi “montada”. Minha gestão, inteiramente dirigida ao crescimento e reconhecimento dos pilotos que começou pela preparação dos oficiais de competição, muita gente não sabe mas foi, após minha saída, objeto de duas auditorias e uma comissão de sindicância sendo que esta ultima sugeriu pelo veredicto de “administração temerária” e as auditorias não logrou seu objetivo que seria de minha desmoralização como dirigente pois as contas estavam em ordem e o patrimônio da entidade preservado. Mesmo assim o atual presidente agiu de maneira impar, ligando para os presidentes das Federações solicitando que enviassem e-mails protestando pelo arquivamento do processo por ele instalado, porem nunca julgou as contas referente a 2008. Hoje vejo que após centenas de erros cometidos chegou ao ápice o descontrole que impera na CBA com reflexo em todo o automobilismo nacional. Me pergunto o que foi feito com referencia a direção de prova que é a responsável pelo erro que originou o inicio de todo o processo contra o Caca Bueno, diga-se de passagem que não estou defendendo mencionado piloto, que não é um santo, mas tem que ser respeitado como PROFISSIONAL, também não culpo a sinalizadora do PSDP pois estava ali com poderes delegados pelo Diretor de Provas e com anuência dos Comissários Desportivos e não se escuta falar de nenhuma providencia contra estas autoridades responsáveis em colocar em risco a vida dos PILOTOS PROFISSIONAIS, que segundo meu entendimento, estão sendo vitimas de um despreparo administrativo que impera na CBA. Infelizmente nos deparamos com um peso e diversas medidas distintas que se estende por todos as categorias de nosso automobilismo, que vai do Kart até a Stock.
    Cacá não esmoreça nunca pois você é um GRANDE PILOTO E PRINCIPALMENTE UM EXCELENTE PROFISSIONAL, sem desmerecer meu piloto preferido, hoje chefe de equipe, CHICO SERRA

  2. Cacá pode até ter sido grosseiro, mas esse é o preço que se paga pelo Rádio aberto. As pessoas ouvem coisas boas e coisas ruins.
    Cacá Bueno não é um poeta e não almeja ser um. Ele é um piloto de corridas, que sofre pressões de um esporte de ponta.

    O que seria da F1 se as pessoas pudessem ouvir o que equipes e pilotos falam durante a corrida?
    O que seria do Futebol se as pessoas pudessem ouvir o que os jogadores falam dentro do campo?
    O que seria dos cartolas do esporte se a s pessoas pudessem ouvir o que eles falam em suas reuniões privadas?

    A idéia de abrir o rádio para aumentar o interesse do público e criar empatia com pilotos é patética!

    Se eu fosse Cacá, fazia minha mala e ia correr em outra categoria de turismo. Tenho certeza que, com o currículo dele, ele arranjaria trabalho em qualquer lugar, sem precisar aguentar essa StocK-Farsa.

Deixe uma resposta para Raphael Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here