Por Americo Teixeira Jr. – A Rede Bandeirantes de Televisão e a IndyCar anunciaram hoje a manutenção da parceria que por alguns meses pareceu fadada ao rompimento. Nessa sexta-feira, o presidente do Grupo Bandeirantes,  Johnny Saad, anunciou não apenas a continuidade das transmissões para o Brasil (como o Diário Motorsport havia antecipado em 5 de março), como também a reinclusão do país no calendário de 2015.

Realizada em São Paulo de 2010 a 2013, a ausência da prova brasileira no giro internacional da IndyCar representa na prática um hiato de um ano, visto estar acordada a realização de quatro eventos em Brasília, de 2015 a 2019. O anúncio foi feito na presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, que ratificou o compromisso de reformar o Autódromo Internacional Nelson Piquet para receber, em 8 de março, a prova de abertura da temporada de 2015.

Governador Agnelo Queiroz,  o presidente do Grupo Bandeirantes Johnny Saad o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva  (Foto Denio Simões/GDF)
Governador Agnelo Queiroz, o presidente do Grupo Bandeirantes Johnny Saad o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva (Foto Denio Simões/GDF)

6 COMENTÁRIOS

  1. olha aí a força do jeitinho político brasileiro… que mais do que resolver, cria dependência da solução pela política.

    ano passado, pra quem não sabe, a rede Bandeirantes, que ao contrário da rede Globo, não só meteu o pau no governo petista como se negou a fazer declarações contra o regime militar e a puxar o saco dos comunistas e socialistas, que por sua vez, enquanto governo, têm acesso e poder para retirar as concessões dos meios de comunicação no país.

    passo seguinte, o governo Dilma dá sinal vermelho à Band e a sua promoção, e retira os patrocinadores de peso que viabilizariam as provas em São Paulo, pesos pesados como APEX, Banco do Brasil, ou os Correios que pagaram cotas de R$ 65 milhões cada um, pelo menos, para estarem associados ao evento.

    a prefeitura de São Paulo nada mais era do que uma apoiadora, o que aliás é o dever de qualquer instituição pública. de modo que o governo federal também o foi, e isto é louvável – não sei até porque não explora o excelente trabalho que a APEX realiza promovendo a geração de negócios e parcerias multilaterais de peso, estando associada ao evento desde 2009, como por exemplo, viabilizando o etanol do Brasil (“Experience our Energy”) mover os motores e corridas da formula Indy nos EUA.

    talvez seja a cartilha ideológica, talvez seja o pragmatismo político eleitoral. provavelmente as duas coisas juntas.

    no fim, só o dinheiro salva ambas.
    assim, dê ao mercado o que é do mercado, e a política o que é da política.

    o fato é que, quem dá as cartas da vez é o PT de Lula, e foi isto que ele lembrou posando na foto.

    por que estava lá então é óbvio. a questão definitiva é…PARA QUE ?…

  2. Uma prova da MotoGP e da Fórmula Indy, bem feita e bem administrada, movimenta em qualquer lugar do mundo mais de 100 mil pessoas. Olhem para a Argentina, que já deslumbrou essa possibilidade. É um público maior do que qualquer joga da Seleção Brasileira. Brasília tem vocação, infraestrutura, hotéis próximos, Lago Paranoá no centro da cidade e despoluído, facilidade que só é encontrada aqui. Um Estádio com capacidade inferior apenas do Maracanã, possibilitando show de qualquer megastar.
    Vamos transformar Brasília na Capital do Esporte e do lazer.
    Não consigo entender como os administradores do esporte no Brasil ainda não enxergaram isso.
    Sem falar na renda per capita, que é uma das maiores ou a maior do Brasil.
    Acordam produtores! Acordam organizadores! Acordam administradores!
    Fui.

  3. Graças à Deus estão acordando para Brasília, que tem um potencial enorme para o esporte. O autódromo de Brasília fica no centro da cidade, perto dos principais hotéis e de vários shopping. Não precisa nem de condução, da para ir a pé. Não existe isto em nenhuma cidade brasileira. Em Brasília você tem um estádio, um ginásio e um autódromo perto das principais atrações da cidade, com uma infraestrutura já montada. Temos um lago despoluído no centro da cidade, que possibilita a realização de qualquer evento náutico. Isso não existe em lugar nenhuma do Brasil.
    Trazer a MotoGP e a Fórmula Indy para Brasília trata mais público do que a Copa do Mundo.
    Acordem políticos. Brasília foi construída, sem quer querem, como diz o nosso amigo Chaves, com um vocação nata para esporte. Pista largas e com um trânsito fácil de administrar.
    Acorda Brasil! Brasília ainda tem todo um turismo cívico, que precisa ser divulgado. Não é um turismo político e sim um turismo cívico, patriota, da Nação brasileira, longe dos políticos.
    É isso que temos de mostrar para o mundo.
    Abraço.

  4. Lamentável a quebra de contrato também com a prefeitura e a cidade de São Paulo. Não conheço o autódromo de Brasília, mas com certeza reformá-lo custará muito mais do que manter a prova no Anhembi e a presença do público será muito menor, e os camarotes corporativos deverão ficar vazios, pois as empresas terão um custo adicional de deslocamento e hospedagem de convidados que na sua maioria estão em São Paulo. Uma pena o mal exemplo que o Brasil dá novamente ao não honrar a palavra e o que foi assinado.

    BAND abra mão da Indy para outra emissora, com certeza será melhor para todos!!!

Deixe uma resposta para KBeto Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here