Enquanto a Ferrari transformava liderança em caos, Hamilton conduziu a Mercedes à quase perfeição na segunda fase do campeonato

Por Américo Teixeira Junior

Lewis Hamilton chegou ao México com uma vantagem numérica tão grande que nem o acidente da primeira volta impediu o inglês de comemorar pela quarta vez o título de campeão mundial de Fórmula 1 (Fotos Daimler Media)

Há elementos que valorizam o quarto título mundial do inglês Lewis Hamilton, conquistado ontem num festivo e emocionado Autódromo Irmãos Rodríguez. Ao fechar a antepenúltima prova do calendário com o suficiente 9º lugar, o piloto da Mercedes transformou a atuação na Cidade do México no degrau que faltava para estar ao lado de Alain Prost e Sebastian Vettel na estatística.

Esta, a estatística, baseia-se na contagem fria dos números e nem sempre a quantidade reflete o valor intrínseco de cada título. Há os que representam quase que o máximo esplendor do automobilismo, construídos ponto a ponto a partir de disputas multicor de pilotos, equipes e motores. Já o monocromático do embate intramuros. somente entre companheiros de equipes, em que pese retrato de uma fase, não costuma ter o mesmo brilho.

Tal qual a “criatividade” enfadonha do prateado que domina os carros em nossas ruas e estradas, a Fórmula 1 viveu os últimos anos praticamente refletindo a mesma cor. Mas em 2017 houve de fato um campeonato, com Ferrari e Red Bull – e até mesmo a Force India, por que não? – bagunçando uma zona até então de aparente conforto para a Mercedes.

Esse novo cenário encontrou um Lewis Hamilton mais maduro. Soube dar um passo de cada vez, virar o jogo e se permitir selar o ponto alto de sua carreira com um resultado incomum em sua trajetória em Grandes Prêmios.

Temos, pois, um campeão moldado na dificuldade, que experimentou – exaustivamente, até – a bonança e que chegou ao seu melhor momento mostrando que, sim, pode ‘TER” números mais grandiosos ainda, mas que está, sobretudo, interessado no “SER”.

Compartilhar

1 COMENTÁRIO

Muito obrigado por participar. Forte abraço, Americo Teixeira Jr.