Por Américo Teixeira Junior, de Indianapolis – Cravar não é supor. Cravar é afirmar objetiva e peremptoriamente, depois de muita apuração e sem utilização de condicionantes. Por cravar entenda-se É ou NÃO É. Verbo na condicional não é cravar. Dar uma informação correta não é mais dos que obrigação, afinal, para que serve um jornalista se não para informar corretamente (Interrogação: não encontrei o símbolo nesse teclado).

Quando eu cravei que Fernando Alonso na McLaren, o caminho foi o mesmo que me levou a cravar Jenson Button fora da McLaren. E esse caminho é um só: apurar, apurar, apurar e quando tudo parecer absolutamente certo, apurar mais um pouquinho para não perder o costume. No caso do Button eu errei. Não importa se foi uma mudança de planos de última hora ou se a “leitura” que fiz do que recebi de minhas fontes foi errada. Não importa. Informação errada é informação errada. Não tem essa de “mas, porém, contudo, todavia e entretanto”. Errei e pronto.

Por isso quero pedir desculpas a todos, principalmente aos meu leitores e ao pessoal do Grande Prêmio, que fazem me sentir incapaz de expressar em palavras toda a minha gratidão.

Compartilhar

12 COMENTÁRIOS

  1. é como todo já disseram @américo, seutrabalho fala por assumido o tido por você como um´ erro´sigamos em frente que você ainda tem miuto o que appura em vida .
    =]
    sua credibilidade digamos de tal só aumenta. parabéns meu caro.

  2. É como todos já disseram @Américo, seu trabalho fala por si só. Assumido o tido por você como um ‘erro’, sigamos em frente que você ainda tem muito o que apurar em vida. =)
    Sua credibilidade diante de tal fato só aumenta. Parabéns meu caro. o/

  3. Todos erramos. Mesmo os que acertam de montão, como você. Você não é Nostradamus, é (só…) um magnífico jornalista, sério, humilde, decente! Só isso… Abração

  4. Tiro mais uma vez o chapéu para você, Américo. Acerta todas e quando erra uma, tem a nobreza de reconhecer o erro e se desculpar, algo que é tão caro à maioria dos jornalistas.

    Sua credibilidade não se abala com esse episódio, só aumenta.

    (ah, tenta colocar o ? com AltGr+W)

  5. Caro Américo, não acho que você tenha errado.
    Você tinha uma informação, confiava na sua fonte e a publicou.
    Quem ia errar (feio, por sinal) era o Ron Denis, dispensando o Button. Ainda bem que ele consertou este erro, mesmo a contra-gosto.
    Um abraço!

  6. PROFISSIONAL COMO POUCOS. HUMILDADE A TODA PROVA. RESPEITABILIDADE INCOMUM. Para todos estes predicados só encontro um nome AMERICO TEIXEIRA JUNIOR, meu assessor na CBA e o mais importante um dos poucos AMIGOS que tenho. As noticias e seus “furos” estão sempre presente e sem qualquer tendência, mas as mudanças de ultima hora, que nem as partes sabem, só com uma bola de cristal gigante. Abraços Paulo Scaglione

  7. Sinceramente, entendo o rigor com vc mesmo. Contudo nesse caso não creio que tenha sido erro seu. Ele estava fora, houve mudança, fato.
    Você sabe , muito melhor que eu, que de Ron Denis não se pode cravar pois ele pode lhe dar uma rasteira. Sua credibilidade no jornalismo esportivo só se fortalece.
    Abraços e creia que continua com a crença de seus leitores.

  8. Errar ao tratar de anúncios que dependem de vários outros fatores é algo inerente à profissão.
    Todos somos passíveis.
    Não perde o brilho dos acertos.
    Siga assim, fiel à sua honestidade e firme atrás das notícias!
    Abraço!

  9. Americo você tem muito credito, e as partes envolvidas mostravam que outros caminhos estavam se desenhando.
    Parabéns pela humildade e pela forma que conduz seu trabalho.

  10. Bom dia, Américo.
    Quero que você saiba que errar faz parte!
    Não se penitencie ok!
    E cá entre nós, fiquei feliz com o seu erro. . .acho que Button merece permanecer na McLaren, primeiro porque ainda tem garrafa prá vender, segundo porque merece esse reconhecimento por parte da Honda. . .afinal, salvo engano, foi o responsável por aquela primeira vitória dos propulsores nipônicos pós-McLaren, em Hungaroring/06.
    Abraço.
    Zé Maria

  11. Américo, sua preocupação em se desculpar só deixa ainda mais evidente o que todos sabemos: o exemplar profissional que é. É evidente que Ron Dennis não conseguiu fazer valer o seu poder contra o acionista principal da McLaren. Vou além, Fernando Alonso com certeza naõ quis viver um “novo 2007” com o novato queridinho do chefe.
    Sempre admirei e sempre continuarei a admirar o seu trabalho. Continue nos informando sempre.

Muito obrigado por participar. Forte abraço, Americo Teixeira Jr.