O piloto lutava contra complicações surgidas durante tratamento que visava um transplante de fígado

Por Américo Teixeira Junior – Miguel CostavJr. e Arquivo Motorsport Brasil

Alfredo Guaraná Menezes descansou. Depois de uma longa batalha pela vida, o tricampeão brasileiro de automobilismo nos deixou neste domingo, aos 64 anos.

Ele havia passado o Natal no Hospital das Clínicas, em São Paulo, para onde retornou no início de março, ficando 20 dias na UTI. O quadro de cirrose hepática, resultado de uma Hepatite C, exigia um transplante de fígado, para o qual vinha se preparando desde o ano passado. Embora a intervenção estivesse prevista para os primeiros meses deste ano, ela não pôde ser realizada por força de uma infecção muito grave e o rompimento de uma hérnia.

Seguiram-se dias de intenso tratamento para combater as infecções com aparente sucesso mas, nos últimos dias, hemorragias e falências dos órgãos tornaram o quadro irreversível. Tanto que na sexta, 24, a família foi avisada, juntou-se ao piloto na UTI e a ela só restou esperar a ação da natureza.

Apesar de não ter podido desenvolver a carreira no automobilismo europeu de monopostos, foi justamente no Velho Mundo onde Guaraná viveu um de seus momentos mais brilhantes, ao ser 2º em sua categoria na 24 Horas de Le Mans de 1978, com Porsche, ao lado de Paulo Gomes e Marinho Amaral.

Como piloto no Brasil, competiu com sucesso em praticamente todas as categorias de fórmula, turismo e protótipos. Foi também dono de equipe e teve influência direta na formação de muitos pilotos. Super competitivo nas pistas, era gentil no trato e tinha seu lado de psicólogo ao lidar com os pilotos mais jovens. Mais recentemente, atuava como comissário desportivo pela FASP.

Alfredo Guaraná Menezes será velado no Cemitério de Vila Alpina das 22:00 de hoje (domingo) às 9:00 de amanhã, sendo cremado logo a seguir. O endereço é Avenida Francisco Falconi, 837, Vila Alpina. São Paulo – SP.

 

 

 

Compartilhar

27 COMENTÁRIOS

  1. Adeus querido e admirado por todos, pilotos, torcida, preparadores, família, estreantes e novatos, deixou um legado que será sempre lembrado pelas suas habilidade, rapidez, conhecimento e psicólogo dos jovens pilotos, em sua passagem aqui na terra deixaste grandes feitos pelo antigomobilismo, agora já em outra dimenção viverá para eternidade, descanse em paz amigo ALFREDO GUARANÁ MENEZES.

  2. Guarana !! Nossa eu vi muitas mas muitas coisas que ele fazia no Super V !! Com o carro 29 junto com o Amador e depois junto com o Giba na Gledson….pé no fundo …braço cruzado …quinta marcha na 1 de tarumã ….e ainda tem gente que acha que guia !!!! ahahah é que não viram o palito em ação!!!

    Descanse em paz meu Idolo Alfredo Guarana Menezes “O Palito”

  3. GUARANÁ

    Quando a F. Chevrolet estreou no Brasil em 1992, convidei o querido Alfredo Guaraná para ser meu chefe de equipe na 1a corrida da categoria realizada no Brasil, preliminar da F1 em Interlagos.
    Em 1994 Guarana montou equipe na F.Chevy e nela formamos também a dupla de pilotos naquele ano.
    Anos mais tarde, 1996, Guaraná estreou como chefe de equipe na Copa Corsa Metrocar e com ele ganhamos nossos dois “Campeonatos Mundiais” (brincadeira que fazemos até hoje pelo fato de corrida de Corsa só existir no Brasil, portanto vale pro mundo), naquele ano de 1996 e 1997.
    Ja no ano 2000 criamos uma categoria de Pick-ups leves, modelo Ford Courier e ela demos o nome de “Copa DTM Pick-up” que fez um sucesso enorme como preliminar da Fórmula Truck pelo Brasil afora, de 2000 a 2005 onde a equipe Guarana conquistou 2 campeonatos na categoria A e um Vice comigo na categoria SuperSenior.
    Minha admiração pelo Alfredinho vem desde os tempos do fusca Divisão 3 onde travou batalhas memoráveis com Ingo Hoffmann.
    Certa vez, la pelos meus 17 anos, ficava na porta da oficina do Amador, seu preparador, para la de fora acompanhar a novimentação deles junto ao carro de corrida.
    No fim do dia Guarana estava saindo com seu carro, um Dodge Polara, quando bati no vidro para pedir uma carona. Sabia que ele morava na Lapa e menti dizendo ser seu vizinho.
    Gentilmente abriu a porta e fomos embora. Ao chegar numa determinada rua do bairro, pedi para me deixar numa esquina. Desci, agradeci e foram necessários uns 4 onibus para retornar pra minha casa que era uns 40 km no sentido oposto ao de onde eu estava em algum ponto da Lapa.
    Esse sacrifício todo foi recompensando pelo simples fato de poder passar alguns minutos com meu grande ídolo dirigindo bem rápido pelas ruas vazias de São Paulo antigo, sem trânsito.
    Alfredo Guarana Menezes, o fantástico piloto que carinhosamente apelidei de “Monstro”, um Gênio nas pistas que provocava admiração de todos com sua velocidade a ponto de um dia, numa conversa com O Tri Campeão do Mundo Nelson Piquet, ele soltou o seguinte comentário : “Guarana foi o piloto mais rapido que ja vi guiar em toda a minha carreira, dos fuscas à F1”.
    Vai com Deus Alfredinho, tenho certeza que vc terá um lugar especial aí no ceu e quem sabe um dia poderemos nos encontrar para um grande e afetuoso abraço.
    Eduardo Homem de Mello

  4. Amigo de escola, de Automania e Autozom, um cavalheiro com as pessoas mas um grande adversário nas pistas.
    Foste o melhor, deixou um legado de admiradores e amigos com certeza.
    Descance em paz.

    • Oi Djalma. Corri com um Polar da Fórmula V 1300. Salvei o Edson Yoshicuma num dia de treino. Ele bateu no fim do retão de Interlagos (antigo). Foi só tirar o Edson e o carro incendiou. Tenho saudades e muitas lembranças daquela época. Até hoje dirijo com extrema habilidade.

  5. Triste notícia! O automobilismo nacional perdeu um de seus ícones. Ainda tive a oportunidade de conversar com ele há algum tempo, em Interlagos, e a citada participação em Le Mans ainda fazia com que os olhos dele brilhassem como de um menino. Que o ‘grande mestre’, como eu o chamava, descanse em Paz! Meus sentimentos à família!

  6. [email protected]

    MEUS SENTIMENTOS A FAMILIA UM GRANDE IDOLO DECADA DE 70

  7. GUARANA…. sua ultima bandeira quadriculada.. descanse em paz meu amigo Guarana muitas vezes nos orientava no autódromo na época de 88 andava de kart foi a época que mais falamos… um grande amigo e professor.

  8. Mais um que sai do nosso cenário do sutomobilismo esportivo. Deixa muitas glórias,mas também muitas saudades!!! Geracão de ouro dos nossos autódromos!!! RIP, Alfredo…

  9. Moro no Rio e sou fã de automobilismo há muitos anos. Tive a oportunidade de ver o Guaraná correr de Super Vê no saudoso autódromo de Jacarepaguá. Grande piloto. Confesso que jamais entendi o motivo de ele não ter ido correr na Europa,
    como fez o seu grande rival, Nelson Piquet. Teria tudo para chegar à F1. Vá em paz, Guaraná.

  10. Conheci o Guaraná em 1977 na Fiat, quando eu iniciei minha carreira profissional andando de Fiat 147, saudades. Vai com Deus Guaraná. Edison Caliman, Sulfiat competições.

Muito obrigado por participar. Forte abraço, Americo Teixeira Jr.